Você já ouviu falar em cultura data driven? Conforme avançamos em direção a uma sociedade cada vez mais conectada, geramos milhares de dados todos os dias. Com as empresas, não é diferente. Que tal utilizar esse conhecimento de forma efetiva?

Boa parte das organizações já entendeu o valor dos dados, afinal, esse já um assunto amplamente discutido há alguns anos. Porém, algumas delas ainda não entenderam de que forma utilizá-los como vantagem competitiva no dia a dia.

É isso o que abordaremos neste post. Nele, vamos explicar o que é uma cultura data driven e como podemos transformá-la em vantagem para uma empresa que busca se destacar no mercado em meio aos outros players. Confira!

A relevância dos dados nas decisões

Boa parte das decisões dentro das organizações, em um passado próximo, eram baseadas em achismos ou experiências vividas pelos seus gestores. Assim, quanto mais tempo de mercado ele tivesse, maiores as chances de acertar suas previsões.

Contudo, o mundo passou por modificações. Com a globalização, trazida pela transformação digital, já não há mais espaço para achismos ou palpites. Toda e qualquer decisão deve ser tomada baseada em fatos, para que não resultem em consequências graves — como perdas e prejuízos.

A cultura data drive

A cultura data driven é a centralização das decisões em dados, em todos os setores de uma empresa. Ou seja, antes de escolher um caminho ou fazer qualquer mudança, os gestores consultam as informações coletadas e processadas dentro de seus Big Datas.

Essa análise constante dos dados gerados pela própria empresa e pelo mercado não apenas orienta nas decisões a serem tomadas em determinadas situações, como também pode gerar uma série de insights futuros e firmar um caminho de atuação para o negócio.

Aplicação da cultura data driven em seu negócio

Realizar uma mudança de mentalidade leva tempo e exige planejamento. O ideal é começar com um setor de cada vez, investindo aos poucos e de forma constante. Alguns pontos fundamentais para o sucesso são:

  • traçar objetivos concretos — definir o que buscar com cada implantação;
  • identificar as áreas principais — priorizar os departamentos com maiores problemas de gestão;
  • coletar dados — criar interfaces que permitam a busca de informações;
  • definir a análise — gerar os modelos de análise que serão utilizados nos dados coletados;
  • apresentar os resultados graficamente — demonstrar as informações analisadas pelo Big Data de forma gráfica e clara.

O papel de um sistema de RPA

O RPA — ou Robotic Process Automation — possibilita a troca de informações entre os sistemas que não estejam integrados, ou seja, exige a necessidade da construção de uma interface de comunicação, agindo como um usuário que colhe informações de um sistema e as insere em outro.

Para empresas que buscam criar uma cultura data driven, essa ferramenta se torna essencial, pois permite que todos os sistemas internos da empresa se comuniquem sem que haja necessidade de desenvolver várias integrações. Dessa forma, coletar e analisar os dados se torna algo simples, já que todas as informações podem ser convergidas de forma rápida e prática para o Big Data para a análise.

Empresas de robotização podem criar robôs personalizados para o seu negócio, reduzindo seus custos e maximizando todo o processo de coleta e análise de dados de sua empresa.

Como vimos, a cultura data driven é o futuro. Afinal, as organizações que não pautarem as suas decisões por meio de dados, tendem a desaparecer do mercado ou não ter grande destaque. Portanto, pense nisso e busque modernizar o seu negócio!

Se você ficou interessado em aplicar essa cultura em sua empresa, entre em contato conosco e veja como podemos ajudá-lo!

Spread the love