Você sabe o que é hiperautomação? Pense da seguinte forma, se 1 RPA pode trazer resultados expressivos, imagine a empresa toda pensando em como automatizar processos e se tornar mais ágil?

Veja no artigo abaixo como a sua empresa pode se beneficiar, e muito, da hiperautomação. Acompanhe!

Hiperautomação: o que é? 

De forma simples, hiperautomação é a combinação de tecnologias e conhecimentos que as empresas precisam para tornar o processo de trabalho automatizado, totalmente voltado para deixar o modelo do negócio ágil como ele deve ser.

Além disso, o termo engloba as ferramentas, métodos e a própria automação, desde o momento do descobrimento do processo, passando pela análise, design, automação, medição de desempenho, monitoramento e, quando preciso, reavaliação.

É importante ressaltar que hiperautomação NÃO é uma tecnologia, e sim uma abordagem/filosofia. IA, RPA, iBPMS são excelentes ferramentas para a hiperautomação, mas, acima de tudo, vem a cultura e o foco da empresa para combinar esforços a fim de ter um ganho real.

As empresas de grande porte têm mais resultados com este tipo de abordagem, mas isso não quer dizer que organizações de tamanho menor não possam colher o mesmo tipo de fruto.

Os benefícios da hiperautomação

Você sabia que a hiperautomação pode ajudar uma empresa a impulsionar sua produção e, consequentemente, seus resultados? Isso é possível fazendo uso de mais ferramentas e, tendo o comprometimento de toda a empresa, os resultados são bem mais expressivos. No que tange à tecnologia, temos mais retorno em função das novas possibilidades de projeto e, em relação ao envolvimento de toda a empresa, torna-se possível alcançar outro patamar de visão.

No entanto, para que seja implantada a hiperautomação é necessário que a empresa tenha um preparo antes disso, uma mudança de cultura para envolver toda a empresa e investimento em tecnologia para alcançar os objetivos dos projetos.

Pontos que devem ser considerados para uma hiperautomação

Para começar a implantar a hiperautomação deve-se seguir dois passos:

  1. Iniciar com uma imersão na realidade do negócio, realidade esta que nem sempre é clara a todos da empresa;
  2. Posteriormente, deve-se estabelecer os objetivos a serem alcançados e, somente depois, é que entra a tecnologia.

Como decidir quais tecnologias serão utilizadas?

Para decidir quais tecnologias devem ser usadas, é preciso fazer uma análise de sua empresa. Cada caso é um caso. ERP, CRM, BPMS, iBPMS, ACM, RPA, AI e outras tecnologias atendem a demandas diferentes e têm níveis variados de investimentos, então, cuidado ao escolher a sua ferramenta. Sempre conte com uma empresa especialista.

Gostou dessa dica? Acompanhe nosso blog para ficar por dentro das novidades do mundo da automação! Acompanhe também nossas redes sociais: Facebook, Instagram ou LinkedIn.

Spread the love