Para aumentar a produtividade, reduzir os custos, otimizar os processos internos e garantir um gerenciamento mais estratégico e que gere resultados concretos, é preciso que os gerentes foquem em metas. Porém, elas não podem ser comuns e traçadas de qualquer forma: para que eles possam conseguir os benefícios citados de maneira efetiva, é importante que sigam a metodologia SMART.

Neste artigo, vamos explicar o que é a metodologia SMART, quais são as suas vantagens, como devem ser as suas metas e quais cuidados devem ser tomados durante a sua elaboração. Continue a leitura e confira!

O que é a metodologia SMART?

Traçar metas é uma atividade comum para os gestores. No entanto, o que frequentemente acontece é a definição vaga, confusa e subjetiva de resultados esperados, que nada diz sobre os passos a serem seguidos.

Além disso, esses objetivos tendem a ser prejudiciais para o negócio: mobilizam esforços em prol de algo que não é efetivo, nem consistente.

Para solucionar esse problema, a metodologia SMART detalha a forma como os propósitos devem ser definidos, para que sejam realmente estratégicos para uma companhia. Esse conceito é um acrônimo que prescreve que as metas devem ser específicas (S), mensuráveis (M), alcançáveis (A), relevantes (R) e temporizáveis (T):

  • específicas: bem definidas quanto ao setor, ao que a equipe deve fazer e como eles devem alcançar tais metas;
  • mensuráveis: devem ser apoiadas com métricas e indicadores de desempenho relevantes, que permitam compreender o resultado esperado em termos estratégicos e acompanhar o andamento das atividades;
  • alcançáveis: elas têm que ser possíveis para que a equipe não se frustre;
  • relevantes: devem ser de fato importantes para o contexto do negócio e ajudar efetivamente a empresa no cotidiano e na entrega de resultados;
  • temporizáveis: precisam ser entregues em um prazo definido, estipulado pelo gerente.

Assim, é possível concentrar os esforços da equipe interna com metas claras e planejar melhor as tarefas, evitando retrabalho e confusão nas operações do dia a dia.

Como deve ser uma meta SMART?

Imagine uma meta aberta e vaga: aumentar a produtividade de uma organização. Como esse objetivo pode se tornar SMART?

Primeiramente, é preciso se perguntar se essa meta é relevante, quarto ponto da nossa estratégia. Faz sentido para o contexto da empresa? Melhora mesmo os processos? No exemplo do escritório, a resposta é sim, pois a produtividade influencia diretamente na entrega de resultados e gera mais lucro.

Depois, é preciso definir a forma como esse resultado será alcançado. Por exemplo, pelo aumento da produtividade com a automação de processos. Assim, toda a equipe estará preparada para isso.

Então, o gestor definirá um tempo para cumprir com o que foi proposto e com as métricas associadas. Para o caso apresentado, seria, por exemplo, atingir um aumento de 40% nos índices de produtividade em 5 meses.

Em suma: no lugar de “aumentar a produtividade”, nosso objetivo ficou “aumentar em 40% a produtividade, em um período de 5 meses, com a automação de processos”. Com isso, o objetivo fica bem mais claro e compreensível, assim como os passos a serem seguidos. Todo mundo, então, sabe o que fazer para que o propósito seja alcançado.

Quais são as vantagens de utilizar os objetivos SMART?

Foco mais claro

Uma das principais razões que levam à falha das metas é a vagueza. Geralmente, o gestor estabelece objetivos muito amplos, sem analisar se eles são realmente possíveis. Além disso, a falta de um prazo certo, de uma fundamentação com base na missão da empresa e de monitoramento dos resultados acaba deixando todo o time desmotivado.

Uso ideal dos recursos

Quando você formula um objetivo SMART, inevitavelmente tem de pensar na viabilidade dele. Todo o recurso é limitado, pois as empresas têm limitações orçamentárias e nem sempre os insumos necessários estão prontamente disponíveis.

Assim, ao pensar sobre o A e R do SMART, é possível priorizar o que é realmente importante dentro de um projeto. Em vez de focar os esforços em todas as direções, somente o que é importante para a estratégia da sua empresa permanece.

Uso efetivo do tempo

A procrastinação é uma tendência do ser humano, é uma forma biologicamente segura da nossa cognição de economizar energia para as urgências. Assim, tarefas e projetos sem prazo tendem a ser adiados.

Com um prazo, por outro lado, é possível gerenciar o tempo, dividir os objetivos em etapas e decidir o que deve ser feito a cada dia.

Clareza na tomada de decisão

Com o SMART, o gestor é obrigado a se questionar sobre:

  • as estratégias que permitirão o cumprimento do prazo;
  • as métricas que deve utilizar para monitorar os resultados;
  • as tarefas e os processos que aproximam a sua equipe da conquista do objetivo;
  • o que deve ser priorizado diante de ocorrências e desafios durante a execução das metas.

Comunicação mais fácil com os outros

O estabelecimento de metas permite que todos os membros da sua equipe falem a mesma língua, pois eles saberão quando, como e por que realizar cada ação. Com isso, na hora de coordenar ações entre colaboradores e times, eles poderão expressar mais claramente a sua opinião.

Por exemplo, diante da escolha de determinada ferramenta digital, será possível direcionar o argumento: “eu acredito que o software X vai permitir que alcancemos o crescimento de 10% na venda que desejamos, pois…”.

Quais são alguns dos bons exemplos de metas SMART?

Vendas e atração de clientes

Conquistar dez novos cliente dentro de dois meses — isso será alcançado por meio de campanhas de marketing de conteúdo e de parcerias com empresas locais. Essa estratégia será importante para aumentar a sua receita e tornar a marca mais conhecida na região.

Gestão

Identificar e propor 3 métricas para definir o sucesso do novo produto lançado no mercado até 10 de maio de 2020, com a finalidade de verificar o seu impacto na receita e na lucratividade.

Quais cuidados devem ser tomados na elaboração dessas metas e objetivos?

Apesar de ser uma metodologia muito simples, é preciso tomar alguns cuidados na hora de elaborar as metas e os objetivos SMART. O principal deles é não verificar o planejamento estratégico do seu negócio. Você precisa saber qual é a missão a ser cumprida, antes de estabelecer os objetivos.

Além disso, não deixe de fazer uma pesquisa prévia sobre os recursos da sua empresa, a viabilidade e o engajamento dos funcionários. Por fim, quando as métricas envolverem a participação de outras pessoas, você deve convidá-las a participar do projeto. Desse modo, elas podem dar sugestões que melhoram a própria motivação.

Como vimos, é preciso definir critérios que façam sentido no contexto organizacional e que realmente sejam importantes para o crescimento da companhia. Com esses objetivos, você pode conseguir ótimos resultados e visualizá-los de forma clara. Por isso, é importante que aplique essa metodologia na sua gestão de projetos.

A metodologia SMART é bem interessante para a concretização de projetos, não é mesmo? Então, não deixe de compartilhar este conteúdo nas redes sociais, para que todos conheçam os seus benefícios!

Spread the love